15 de nov de 2013

Contrato Originário em Kant


O CONTRATO ORIGINÁRIO COMO FUNDAMENTO RACIONAL DO ESTADO CIVIL EM KANT[1].

Sérgio Fernando Maciel Corrêa[2]

Resumo: este artigo tem por objetivo discutir a ideia de contrato originário na primeira parte da Obra Metafísica dos Costumes do filósofo Immanuel Kant, na qual está contemplada a sua Doutrina do Direito. Para tal, no primeiro momento será feita uma análise das possibilidades de posse segundo o direito natural o qual é caracterizado pela ação empírica dos sujeitos sobre as coisas. Do mesmo modo tratar-se-á da posse segundo o direito positivo, a qual é entendida como posse perene das coisas. A seguir será efetuada uma apreciação da ideia de contrato originário como um postulado da razão, relacionando a filosofia do direito de Kant ao seu projeto de fundamentação metafísica da moralidade. Por fim, será apresentada a ideia da constituição do Estado Civil, por meio do contrato originário, como um ente externo e garantidor do direito inato do ser humano – a liberdade.

Palavras-chave: Direito Natural; Contrato Originário; Moral; Liberdade; Estado Civil;



[1] Artigo publicado no  III CONGRESSO INTERNACIONAL DE FILOSOFIA MORAL E POLÍTICA Universidade Federal de Pelotas – UFPel. 


[2] É licenciado em Filosofia pela Faculdade de Filosofia São Boaventura de Curitiba, PR, especialista em educação pela UnC – Universidade do Contestado campus Curitibanos, SC, mestrando em filosofia pela UFPel e professor de ensino básico técnico e tecnológico do IF-Sul, Campus Camaquã, RS.

27 de ago de 2013

FOUCAULT E NIETZSCHE E A CRÍTICA AO SUJEITO, À CONSCIÊNCIA E À LIBERDADE


O procedimento genealógico, tanto em Foucault, quanto em Nietzsche permite a problematização dos postulados metafísicos que se construíram em torno da noção de verdade, de sujeito e de liberdade. Para criarem seus conceitos, os filósofos se colocam como críticos da tradição. A partir desta filosofia crítica é que postulamos a hipótese da interpretação, da apreciação que concebe a verdade não mais como um referente absoluto, invariável e padronizado – uma perfeita identidade. Neste caso, não existe a interpretação clara e distinta, portanto certa. Deste modo a interpretação moral acontece a partir da corporeidade (semiótica de afetos) e não a partir do ideal da verdade. Outro fator importante para tecer uma crítica à noção de sujeito é a descrição da origem da consciência postulada pelos filósofos. Estes são os temas que pretendemos desenvolver por meio de uma leitura imanente dos nossos filósofos.
Palavras-chave: crítica; genealogia; metafísica; interpretação.
Comunicação apresentada no XXXIV Encontros Nietzsche (PUC-Campinas!

19 de jun de 2013

O ANARQUISMO EPISTEMOLÓGICO DE PAUL KARL FEYERABEND


      O presente trabalho tem por objetivo investigar algumas razões e justificativas que levaram Paul Karl Feyerabend a compreender a ciência e a sua evolução como empreendimento anárquico. Para alcançar este objetivo será necessário analisar a máxima feyerabendiana que assevera: “O único princípio que não inibe o progresso é: tudo vale”. Do mesmo modo, o trabalho examinará os argumentos que o autor de Contra o Método elabora ao sustentar a possibilidade da ciência progredir, atuando contraindutivamente.
      Paul Feyerabend está situado em um ambiente propício à crítica da ciência. Para compreender isso basta recorrer a alguns teóricos que são seus contemporâneos. Karl Popper, por exemplo, sustenta que a ciência progride por meio de um processo de refutabilidade de teorias estabelecidas, seguida da conjectura de novas teorias. É o chamado método da falseabilidade. Outro exemplo aventado é o de Tomas Kuhn. Este epistemólogo fala de uma ciência revolucionária que busca superar a ciência vigente justamente naquilo que ela não pode resolver. Para Kuhn o progresso da ciência acontece precisamente na ruptura de modelos tradicionais por modelos revolucionários. Ora, se Feyerabend segue o mesmo caminho das refutações científicas e das revoluções científicas como então propõe o seu anarquismo epistemológico?
.
Palavras-chave: Oportunismo; Liberdade; Anarquismo; Publicidade; Progresso; Ciência
.
REFERÊNCIAS
.
FEYERABEND, Paul Karl. Contra o Método: esboço de uma teoria anárquico da teoria do conhecimento. (Trad.: Leônidas Hegenberg) Rio de Janeiro: F. Alves, 1977. 
.
CHALMERS, Alan F. O Que é Ciência Afinal? (Raul Filker) Brasília: Brasiliense, 1993. 
.
KNNELER, George Frederick. A Ciência como atividade humana. Rio de Janeiro: Zahar, 1980. 

8 de jun de 2013

A GENEALOGIA E A ÉTICA DO CUIDADO DE SI EM NIETZSCHE


A GENEALOGIA E A ÉTICA DO CUIDADO DE SI EM NIETZSCHE

Sérgio Fernando M. Corrêa1
Mestrando em filosofia pela UF-Pel e professor do IF-Sul, Campus Camaquã-RS.

Resumo: O propósito deste projeto de pesquisa é analisar a Moral sob a perspectiva da Interpretação Genealógica e Naturalista desenvolvida por Nietzsche. Nisto tenciona verificar a crítica feita por Nietzsche às tentativas de fundamentação a priori da moral feita pela tradição metafísica. Num segundo momento intenta-se evidenciar como Michel Foucault se apropriou da “ferramenta” desenvolvida por Nietzsche para construir sua própria genealogia e propor a ‘ética’ da arte de viver e do cuidado de si.

Palavras-chave: Interpretação, Genealogia, Moral, Ética, Naturalismo.

Résumé: Le but de ce projet de recherche est d'analyser le point de vue moral sous l'interprétation de généalogie naturaliste et développé par Nietzsche. En cela, dans l’intention de de vérifier la critique par des tentatives de Nietzsche à des a priori de la morale faites par la tradition métaphysique. Dans un second moment tente de montrer comment Michel Foucault approprié «l'outil» mis au point par Nietzsche pour construire votre propre généalogie et de proposer l' « éthique » de l'art de vivre et du le souci de soi.

Mots-clés: Interprétation, Généalogie, Moral, Éthique, Naturalisme.

Zusammenfassung: Der Zweck dieses Forschungsprojektes ist es, die Moral über die Perspektive der genealogischen und naturalistischen Interpretation die von Nietzsche entwickelt wurde zu analysieren. Es möchte die von Nietzsche erbrachte Kritik über die Begründung a priori der Moral von der metaphysischen Tradition überprüfen. Ein zweites Ziel des Forschungsprojektes will zeigen wie Michel Foucault das von Nietzsche entwickelte „Werkzeug“ benutzt, um eine eigene Genealogie zu bauen und die,, Ethik“ über der Kunst zu leben so wie für sich selbst Fürsorge zu treffen.

Schlüsselwort: Interpretation, Genealogie, Moral, Ethik, Naturalismus.

1 E-mail: fer.ser29@gmail.com

4 de jun de 2013

Resumo - Criação, Literatura e Filosofia


O MUNDO DA VIDA E A CRIAÇÃO NA LITERATURA: O CASO DE GRACILIANO RAMOS EM VIDAS SECAS.

Sérgio Fernando Maciel Corrêa*
E-mail: fer.ser29@gmail.com

O tema geral deste trabalho é a literatura sob o olhar de uma Filosofia da Arte e propõe-se, não obstante, a refletir filosoficamente sobre a literatura de acordo com a proposta metodológica dedutiva que principia de uma ordem geral e culmina numa plano particularizado. Para dar conta desta proposta partiremos da estrutura em geral do conceito de literatura para então analisarmos em uma obra específica – Vidas Secas de Graciliano Ramos. O primeiro ponto desta apreciação tratará dos critérios que permitem a alguém distinguir um texto literário de um não literário. Também faremos uma análise da origem da Arte Literária, isto é, ‘qual sua maior matéria prima’. Tendo em vista estes pressupostos, o segundo ponto então, se ocupará de uma possível conceitualização da literatura.

No terceiro momento, já perseguindo o objetivo específico do trabalho nos deteremos em um literato específico, no caso: Graciliano Ramos. Em primeiro lugar nos prestaremos a uma passada de ‘vista’ nas Obras produzidas por Graciliano Ramos e nos principais aspectos de sua biografia. Em seguida estreitaremos ainda mais a condução do trabalho, pois este irá se deter em uma Obra particular de Graciliano Ramos: Vidas Secas. Neste momento nos concentraremos na análise estrutural da obra, qual sua origem etc. Em seguida traremos uma reflexão sobre a criação artística a partir das experiências vividas para finalmente verticalizar no capítulo Baleia, de Vidas Secas.

Ao percorrer todos estes passos queremos, ainda que de forma limitada, nos apropriar de uma visão bem geral e primária do que de fato é a Literatura. Do mesmo modo, pretendemos abordar qual é a origem da Literatura, isto é, como ela se configura. Desta maneira acreditamos que esta breve análise do artista Graciliano Ramos e de sua obra Vidas Secas, vai corroborar com as proposições postuladas para este trabalho.

Palavras-chave: Literatura; Antropologia; Obra de Arte; Ética; Existência.

* Professor de EBTT da disciplina de filosofia no Instituto Federal de Educação Sul Rio-Grandense, Campus Camaquã – RS. Mestrando do programa de pós-graduação em filosofia da UFPel, Pelotas, RS.